María Lugones: feminismo que questiona a colonialidade do poder

Nesta terça-feira, 14 de julho, morreu a filósofa feminista argentina María Lugones, aos 76 anos. Professora de Literatura Comparada e de Estudos sobre Mulheres, na Binghamton University, a pensadora é uma das maiores referências nos estudos sobre feminismo descolonial. Pela sua enorme contribuição para as discussões sobre colonialidade e gênero, foi reconhecida, ainda em 2020, pelo "Frantz Fanon Prize", da Associação Filosófica do Caribe.




“A redução do gênero ao privado, ao controle sobre o sexo e seus recursos e produtos é uma questão ideológica apresentada ideologicamente como biológica, parte da produção cognitiva da modernidade que conceitualizou a raça como ‘generificada’ e o gênero como ‘racializado’, de modo particularmente diferenciado entre os/as europeus/brancos/as e as pessoas colonizadas não brancas/os. A raça não é nem mais mítica nem mais fictícia que o gênero – ambos são ficções poderosas”. 

María Lugones


Para saber mais sobre o pensamento de María Lugones, leia o artigo da professora da UFRJ, Susana de Castro, doutora em Filosofia pela Ludwig Maximilian Universität München, na Revista Cult #248, no dossiê sobre Colonialidades, organizado pela professora Carla Rodrigues e Danilo Clímaco.


Leia aqui: O feminismo descolonial.

Dossiê completo aqui.



icone yt.png
icone ig.png
telegrama.png
pngflow.com.png