Sonhos na pandemia

O Lafita integra o projeto de pesquisa “Sonhos em tempos de pandemia", realizado por um grupo de pesquisadores/as, psicanalistas e apaixonados por sonhos. A pesquisa é coordenada por professores/as de três instituições: Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Universidade de São Paulo (USP) e Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) com a colaboração de outras três instituições: UFRN, UFC e UFRJ. A pesquisa tem como objetivo coletar relatos de sonhos produzidos durante o período de pandemia de COVID-19, bem como outros elementos a eles relacionados, sejam materiais escritos ou orais, a fim de compreender consequências psíquicas do momento atual.

Para contribuir e relatar seu sonho, clique aqui.

Carla Rodrigues (UFRJ/Faperj)

Juliana de Moraes Monteiro (UFRJ/Faperj)

Isabela Pinho (UFRJ)

Viviane Bagiotto Botton (Uerj)

Núcleo de estudos em histeria

Núcleo de estudos em histeria

O Núcleo de Estudos sobre Histeria congrega pesquisadoras e pesquisadores do campo da Filosofia e que buscam se articular com outros domínios epistemológicos das ciências humanas, da saúde e das artes. Através da produção de pesquisas nestes diferentes domínios e de discussões periódicas, o núcleo de estudos  propõe articular interlocutores para refletir e avaliar pesquisas sobre a Histeria não apenas circunscritas ao lugar da clínica, onde apareceu historicamente com estatuto patológico, mas também suas reverberações que ganharam destaque ao longo do século XX e XXI e que podem ser desdobradas a partir desse fenômeno específico, tais como a associação entre histeria e feminino; a histeria com um ponto de inflexão entre o corpo e a mente; a caracterização pejorativa da mulher como “histérica” como um julgamento cotidiano, entre outras.

 

Com isso, pretendemos cria um diálogo em rede, a partir da pesquisa de cada integrante do núcleo e repensar a Histeria como um modo de habitar o mundo e a linguagem, que ganha contornos a partir das epistemologias feministas e dos estudos de gênero e se torna fundamental para compor a experiência sócio-histórica da contemporaneidade.

Coordenação: Viviane Bagiotto Botton (UERJ) 

 

Juliana de Moraes Monteiro (UFRJ/Faperj)

Manoela Caldas (UFRJ)

The Centre for Studies on Hysteria brings together researchers from the field of Philosophy in the search for an articulation with other epistemological domains of the human sciences, health and arts. Through the production of research in these different fields and periodic discussions, the Centre proposes to articulate interlocutors to reflect and evaluate research on Hysteria. This research is not only limited to clinical places, where it has historically appeared with pathological status, but also its reverberations which have gained prominence throughout the twentieth and twenty-first centuries. These reverberations can be unfolded from this specific phenomenon, such as the association between hysteria and femininity; hysteria with an inflexion point between body and mind; the pejorative characterization of women as "hysterical" as a daily judgment, among others.

 

With this, we intend to create a networked dialogue, based on the research of each member of the centre, while rethinking hysteria as a way of inhabiting the world and language. It takes shape from feminist epistemologies and gender studies, becoming essential to compose the socio-historical experience of contemporaneity.

Intraduzíveis

Translation projects

Participamos do projeto Dicionário dos Intraduzíveis, editado na França pela filósofa Bárbara Cassin e coordenado no Brasil por Fernando Santoro (UFRJ) e Luiza Buarque (PUC-Rio). O projeto é publicado no Brasil pela Autêntica e os integrantes do laboratório são responsáveis pela tradução dos verbetes de ética e política.

 

Cláudio Oliveira (UFF/UFRJ) é tradutor de Giorgio Agamben e coordenador da coleção Filô Agamben na editora Autêntica.

 

Carla Rodrigues e Rafael Haddock-Lobo coordenaram projeto de pesquisa no CNPq para a tradução de textos de Jacques Derrida no Brasil. Juntos, traduziram Esporas - os estilos de Nietzsche (NAU Editora, 2013). De Derrida, Flavia Trocoli e Carla Rodrigues também traduziram Demorar. Maurice Blanchot (Editora da UFSC, 2015). Isabela Pinho traduziu A metafísica da juventude (prelo), de Walter Benjamin, e A política e a psicanálise: do não-todo ao para todos, de Jelica Sumic.

Carla Rodrigues (UFRJ/Faperj)

Cláudio Oliveira (UFF/UFRJ)

Fernanda Miguens (UFRJ)

Flavia Trocoli (UFRJ/Faperj)

Isabela Pinho (UFRJ)

Rafael Haddock-Lobo (UFRJ/Uerj)

Victor Maia (UERJ)​

 

We participated in the project Dictionary of the Untranslatables, edited in France by the philosopher Bárbara Cassin and coordinated in Brazil by Fernando Santoro (UFRJ) and Luiza Buarque (PUC-Rio). The project is published in Brazil by Autêntica and the members of the laboratory are responsible for the translation of the entries about ethics and politics.

Cláudio Oliveira (UFF/UFRJ) is Giorgio Agamben’s translator and coordinator of Autêntica’s Filô Agamben collection.

 

Carla Rodrigues and Rafael Haddock-Lobo coordinated a research project at CNPq for the translation of Jacques Derrida’s texts in Brazil. Together they translated Esporas – os estilos de Nietzsche (NAU Editora, 2013). Flavia Trocoli and Carla Rodrigues also translated Demorar – Maurice Blanchot, by Derrida (UFSC Publisher, 2015). Isabela Pinho translated Walter Benjamin’s The Metaphysics of Youth (forthcoming) and Jelica Sumic’s Is there a politics in Psychoanalysis?

icone yt.png
icone ig.png
telegrama.png
pngflow.com.png